Blog do Sarico

Os casamentos


Nesta semana, vi uma foto de um casamento realizado aqui em Tapera (RS), no Tenarião, lá nos idos dos anos 70. Devia haver mais de mil pessoas nele. Foi um festão, algo bastante comum naquele tempo. A decoração, por sua vez, não era aquilo que se vê atualmente, mas era muito pomposa para a época. E o prato? Churrasco, claro, com um monte de gente servindo.

Com o passar dos anos, os casórios se transferiram para o Clube Aliança, menor e com um público igualmente menor, algo em torno de 300 a 400 convidados. A decoração já era de outro nível, assim como a comida conforme mostrava outra foto.

Os casamentos também mudam conforme muda a economia. Até os mais abastados se contem na hora de comemorar algo importante para suas famílias. E os próprios noivos pensam de modo diferente de seus pais no evento. Isso quando não casam e passam a morar juntos, sem alianças, sem padre e sem testemunhas, algo igualmente muito comum nos tempos atuais.

E para o futuro, como será a coisa? Hoje em dia, a juventude não namora como antigamente. Antes, o pessoal se conhecia, namorava na casa da menina, firmava o compromisso e casava num curto espaço de tempo. Hoje, a gurizada quer saber é de se divertir, de se mostrar, de beber e fazer sexo. Nas festas, não vão para conhecer alguém para algo significativo no futuro, mas para curtir.

Pensando no futuro, qual será o da juventude de hoje se eles não estão preocupados com ele? E como serão as famílias do futuro?

Você já parou para pensar nisso? Aquilo que aprendemos com nossos pais, esqueçam. Passou e não volta mais. Enfim, o que está vindo aí?

Previsões para 2020


No começo do ano, publiquei aqui cinco perguntas para que os leitores se manifestassem a respeito dos temas. Queria saber sua opinião. Pois, estando em setembro, quatro delas já foram definidas.

A primeira pedia se Lula seria solto ou não. Ele foi. 66,6% erraram o palpite.

A segunda, se Sérgio Moro deixaria ou não o governo. Ele saiu em maio. Todos acertaram (100%).

A quarta, se o América viria ou não para a temporada. Não veio. Metade acertou (50%).

A quinta, se a coligação em Tapera (RS) continuaria. Ela continuará sem o PDT. Todos erraram (100%).

A que ainda não é conhecida é a terceira, se o Inter seria ou não campeão neste ano. 66,6% disseram que não.

A propósito. Com as duas últimas derrotas até eu, vermelho, começo a duvidar.

Além do seu tempo


Quem tem mais de 40 deve ter visto o desenho animado Os Jetsons, de Hanna-Barbera, na antiga TV Gaúcha, atual RBSTV, lá nos anos 70, em preto e branco, e depois em cores.

Os Jetsosn era uma família que vivia no futuro, que até hoje não sei o ano. Mas, viviam com um montão de engenhocas robóticas, algo impensado para a época.

Pois passados mais de quatro décadas, tudo aquilo que eles utilizavam está sendo utilizado hoje por nós devido a esta pandemia: aulas online, vídeochamada, vídeoconsulta, trabalho em casa, proteção (máscara), isolamento, descontaminação, entre outras coisas. A casa deles era uma loucura com os equipamentos que haviam nela e também na cidade, especialmente o trânsito, todo pelo ar.

Na minha infância, vendo aquele desenho, nem em sonho imaginei viver aquilo um dia. Leve por base apenas o telefone celular. Na nossa infância e juventude, quem imaginou ele um dia?

Tapera: 5º óbito e 113 casos positivados


Nesta sexta-feira (18), Tapera (RS) informou o 5º óbito pela Covid-19. Trata-se de uma mulher de 61 anos, com comorbidades, que estava internada no hospital de Espumoso.

Por outro lado, foi informado mais 8 casos positivados que eleva o total no município para 113.

Pessoal, vamos nos cuidar.

Infoxicação


Nestes tempos de internet, onde a informação está por todos os lados e nas mãos de qualquer pessoa, tem surgido palavras novas. E não são poucas, diga-se de passagem. Uma delas é infoxicação. E você sabe o que quer dizer?

Infoxicação é o excesso de informação compartilhada nos meios de comunicação, como internet, TVs, jornais e até videogames.

A bem da verdade, infoxicação surgiu a pouco mais de 20 anos. Atualmente, com a infodemia, que é o excesso de informação sobre a pandemia do Coronavírus, ela passou a ter seus efeitos sentidos de maneira ainda mais intensa nas pessoas.

A infoxicação é caracterizada pela hiperconectividade, ou seja, a conexão excessiva com meios de digitais, e gera sintomas como dispersão (olhar sem ver), dificuldade para concentra-se (perda de foco), crescimento da ansiedade (aceleração do batimento cardíaco, entre outros), aumento do estresse (cansaço, tensão muscular, dores de cabeça e demais sintomas), podendo ser o início de uma síndrome de fadiga informativa, condição extrema que pode desencadear até problemas psiquiátricos como depressão e pânico. Que tal?

Hoje, todo mundo passou a ter mais liberdade, e o cidadão comum desempenha o papel de jornalista, produzindo notícias. E o que era um banco de informação limitada, hoje virou um banco de informação infinita – e o que é pior, não processada. E o jornalismo, antes responsável pela credibilidade das informações, foi submetido à ditadura da urgência e do instantâneo – sendo que poucas redações dispõem do tempo necessário para fazer conscientemente seu trabalho.

Cuidado com o que você recebe e repassa na rede. Até mesmo, a sua saúde por estar em perigo. Por via das dúvidas, antes leia e cheque a informação, pois a internet carrega mais mentira do que verdade.

Mãozinha à natureza


Estamos nos aproximando da primavera e logo em seguida vem o verão e com eles a época das frutas, de muitas delas, todas muito deliciosas e nutritivas, como bergamota, laranja, melancia, mamão, melão, abacate, limão, goiaba, maracujá e tantas outras.

E que tal quem aprecia frutas dar uma mão à natureza? Sugiro que, ao invés de jogar as sementes no lixo, que perca um tempinho, como quem separa o lixo doméstico, e pegue as tais sementes e as lave, seque (ao sol) e as armazene dentro de um saco de papel e guarde-as no carro e, quando for para o interior ou para a estrada, abra o vidro e jogue tudo fora da pista de rolagem.

A natureza é danada e simplesmente acontece. Ela sempre dá um jeitinho de “aparecer”. E se de cada 10 sementes que jogarmos fora uma vingar, já teremos contribuindo para proteger nosso planeta e a nós mesmos.

Façamos isso, não custa nada.

Evolução financeira


Quando inventaram o cheque, cuja história se perde no tempo e teve seu início com as letras de câmbio a séculos, as pessoas tiveram maior segurança não precisando mais levar consigo dinheiro em espécie ou moedas. Com o passar dos anos o cheque foi perdendo a preferência pelo mau uso dele por alguns. Nos anos 2000, surgiu o cartão de crédito, que foi de fato um avanço pela segurança que dá às pessoas e a quem recebe um pagamento. Agora, em tempos de internet, inventaram o QR Code, um código de barras bidimensional que pode ser facilmente escaneado usando a maioria dos telefones celulares equipados com câmera.

E nós, muito em breve, veremos algo que nos surpreenderá: o fim do dinheiro físico. Parece piada, mas não é. Até existe um projeto de lei (4068/2020) tramitando na Câmara propondo isso. Bancos, empresas, funcionários, profissionais de todas as áreas e demais pessoas receberão o valor que lhe é devido em seu celular através de uma mensagem.

Já pensou não existir mais papel moeda? Tem quem não vai entender e outros enlouquecerão.

O mundo está indo para um caminho cada vez mais surpreendente. E nós ainda vamos ver muita coisa que nos surpreenderá.

Eleição pronta


Com a indicação do vice-prefeito do PDT na segunda-feira (14), a eleição de 15 de novembro em Tapera (RS) está pronta. O partido irá com Alvinho Lauxen e Valdo de Matos, o PTB com Nestor Arnemann e Sérgio Bello, todos com chapa pura, e a coligação vai com Volmar Kuhn (MDB) e Prego Henrich (Progressista).

Os quatro partidos colocaram 37 nomes a vereador para ocupar as 9 cadeiras na Câmara. O PT, por problema de documentação, não participará diretamente do pleito.

A eleição está pronta no município. E lembrei do imperador Júlio César que, antes de atravessar o rio Rubicão com suas legiões, para invadir a Gália (França), e sabendo do que enfrentaria, disse a seus soldados: “Alea jacta est” (a sorte está lançada).

Os nomes são estes e os taperenses irão agora avaliar cada um deles e sua proposta e se posicionar na urna.

Temos 100


Nesta terça-feira (15), o Comitê de Enfrentamento ao Coronavírus de Tapera (RS) informou mais 09 casos positivados no município, totalizando agora uma centena de infectados.

Após uma sequência de dias com poucos casos, nesta terça a coisa ganhou velocidade. Dos 100 casos, apenas 6 foram hospitalizados e 94 cumpriram isolamento em casa. Os recuperados são 81.

No total, são 55 homens e 44 mulheres, sendo que 41 deles fez o teste na rede pública e 59 na privada.

Continuemos nos cuidando, especialmente quem tem veterano ou veterana morando consigo.

Sistema criminal injusto


Em ofício enviado ao novo presidente do STF, Luiz Fux, o ministro Edson Fachin, do STF, afirmou que o sistema criminal brasileiro é injusto com cidadãos desprovidos de poder econômico ou político e leniente com os poderosos às voltas com práticas criminosas.

Segundo ele, o mais grave é o fato de que apenas 1,43% dos presos responde por crimes contra a Administração Pública.

É a mais pura verdade.

No Brasil, cadeia quem pega é ladrão de galinha. “Grandão” não vai preso e se for sai logo para gastar o que amealhou dos trouxas e ainda rir da cara deles.

O certo seria pegar um cadeião já na primeira instância, devolver o que pegou ou recebeu, com juros, e ficar inelegível para sempre. Isso sim seria justiça. O resto é conversa fiada.