Blog do Sarico

Acertos e erros da Copa do Mundo 2014


Acertos e erros da Copa do Mundo 2014 1Há alguns dias, fui convidado pelo Instituto Imaculada, junto com o Buxa Teodoro e o Marcelo Haag, narrador e repórter da radio Cultura de Tapera, respectivamente, para falar sobre a Copa do Mundo. O debate fazia parte de um trabalho que os alunos estão fazendo em uma de suas matérias.

Como teria de me preparar para o encontro, comecei a pensar no que deu certo e o que deu errado nesta Copa:

POSITIVO

1 – Estádios
2 – Deslocamento das seleções (aeroportos)
3 – Obras que se conseguiu acabar a tempo – Das 14 obras de mobilidade previstas para Porto Alegre, apenas quatro foram entregues. Permanecem em espera: a duplicação e prolongamento de avenidas e ruas, o transporte rápido, a ampliação do terminal de passageiros e da pista do Salgado Filho e o metrô.
4 – Segurança
5 – Estruturas temporárias
6 – Aeromóvel no Aeroporto Salgado Filho
7 – Telefonia
8 – Estouro do escândalo dos ingressos que deve existir há muitos anos.
9 – Estádios cheios
10 – Cânticos das torcidas
11 – Turistas felizes
11 – Futebol ofensivo
12 – Zoeira nas redes sociais
13 – Técnicos de alto nível
14 – Gols, muitos e bonitos
15 – Goleiros

NEGATIVO

1 – O alto custo da Copa. Falou-se em R$ 6 bilhões de dinheiro privado e gastou-se mais de R$ 30 bilhões público.
2 – Obras inacabadas
3 – Não se faturou tudo que se pensou: hotéis, restaurantes, bares e lojas.
4 – Vários craques lesionados antes e durante a Copa
5 – Jogos do Brasil mal distribuídos entre as sedes
6 – Arbitragem ruim
7 – País da casa fora da final
8 – O fiasco da Seleção Brasileira

Apesar de todos os atrasos nestes sete anos de preparação para a Copa do Mundo no Brasil, o presidente da FIFA, Joseph Blatter, deu nota 9,25 para a sua organização, sendo a maior de todas as 20.

Eu acho que este não seria o melhor momento de o Brasil sediar uma Copa do Mundo, por achar que existem outras prioridades que não estão sendo focadas pelo Governo. O País está numa crescente impressionante, sabemos, mas existem outras prioridades. Por outro lado, acho que o Brasil deveria parar de pensar no seu passado e mudar, mas mudar seu modelo de gestão na CBF, nas federações e nos clubes, e evoluir, sem esquecer do talento dos seus jogadores, coisa que apenas brasileiro possui e que são formados aos montes todos os anos. E que nossas futuras seleções foquem a Copa e não as luzes da mídia e suas polpudas contas bancárias.

Não era a hora, mas a Copa foi boa e bonita. Viva o Brasil.

Intercomunidades


O Campeonato Intercomunidades de Futsal de Tapera é um sucesso, dentro e fora da quadra. A cada ano o público aumenta e nele é possível ver famílias inteiras acompanhando os jogos, todos muito pegados e com muita torcida e vibração. Mas, a competição, além do regulamento para sua realização, tem um regulamento sobre a participação, de quem pode ou não dele participar? Se houver, que os organizadores o publiquem, para conhecimento geral. Seria interessante até para clarear a coisa que continua muito nebulosa por conta de um veto não muito claro.

Entro nesta questão, por que já vi aqui, em vários comentários, o pessoal falar que, para participar da competição, é preciso ser agricultor. Essa regra é verdadeira? Ela existe? Com a palavra os organizadores, o Departamento Municipal do Desporto e Lazer (DMDL).

Como o Campeonato não sai mais neste ano, que o DMDL faça um regulamento consistente e o apresente ano que vem aos participantes.

Também já ouvi por ai que as comunidades iriam se reunir para formatar o campeonato para elas. É um direito seu, porém terão de fazer tudo, inclusive arcar com as despesas de arbitragem e outras mais, que não são poucas, e sem o auxílio do poder público. Mas, elas têm todo o direito de fazer a sua competição que, repito, é maravilhosa.

E sobre a Vila Paz, que foi vetada no Intercomunidades 2014, aqui vai uma dica. Haverá outras competições, como o Interfirmas. Montem uma equipe e o disputem. Terão a oportunidade de mostrar que a vila não é isso que pensam dela. E não me surpreenderia se levassem o título no primeiro ano de participação.

Se não tem plano A, que venha o B, C, D…

Enjaulado


Enjaulado 1O homem que, junto com um parceiro, assaltou uma casa em Passo Fundo recentemente e violentou uma menina de 15 anos, na frente de sua mãe, foi preso pela Polícia Civil daquele município. O rapaz, de 25 anos, tem extensa ficha criminal. É da pesada.

Agora, o que acontece com o anjinho? Vai ficar preso durante quanto tempo? Logo logo ele estará na rua pronto para mais assaltos e abusos.

Quem é pai ou mãe está revoltado com o caso. Conversando com uma leitora nesta semana, mãe de uma adolescente, ela me disse que o que mais a revoltou é que, aqui no blog, o marginal foi defendido com unhas e dentes e ninguém se importou com a menina abusada, nem imaginou por um instante o horror que filha e mãe viveram naquele momento. “Essa pessoa que defendeu o monstro e ainda te criticou, deveria adotar o traste e levá-lo para a sua casa – a dele”, disse indignada. E com razão.

E eu continuo com o mesmo pensamento de antes.

E a polícia quando quer consegue.

Pérola


downloadNa reunião que a Amaja realizou na sexta-feira (25/07), em Coqueiros do Sul, o prefeito em exercício de Não-Me-Toque, Gilson dos Santos, mostrou documento que o DAER enviou, sobre a situação das ERS 142, que liga Não-Me-Toque a Carazinho, após pedido de reparos na mesma devido ao número de buracos existentes, feito por ele. Pois, o DAER respondeu que, “o número de buracos no trecho é insuficiente para justificar trabalho de manutenção”. O plenário, tomado de prefeitos, vice-prefeitos e secretários municipais, caiu em gargalhada.

A Amaja achou uma falta de respeito com os municípios envolvidos o fato de o DAER ter respondido à RBSTV Passo Fundo, que fez a matéria, e não a eles – Não-Me-Toque e Carazinho.

Esse DAER com seus servidores de carreira e seus gabinetes confortáveis…

Aumentou


Aumentou 1O patrimônio dos 53 deputados estaduais gaúchos que concorrerão a algum cargo público nestas eleições dobrou nos últimos quatro anos. Juntos, eles declararam à Justiça Eleitoral, em 2010, R$ 26,3 milhões em bens – valor que saltou para R$ 53,6 milhões neste ano, um aumento de 103,5%. A inflação acumulada no mesmo período foi de 26,7%, de acordo com o IPCA, considerado o índice oficial de preços.

Na comparação dos valores declarados em 2010 e em 2014, o deputado Paulo Borges (DEM) foi o que teve a maior variação percentual: 952,2%, passando de R$ 70,6 mil para 742,6 mil. O parlamentar mais afortunado e que teve o incremento mais expressivo em valores absolutos é Paulo Odone (PPS), cujo patrimônio saltou de R$ 1,8 milhão para R$ 8,7 milhões — uma alta de 377,6% no período.

Como pode um deputado, que recebe subsídio mensal de R$ 20.042,34, sem incluir a “ajuda de custo”, aumentar tanto assim o seu patrimônio, quando, em quatro anos, receberia algo em torno de R$ 962 mil? Ai tem…

Sobre Paulo Odone ainda, ninguém falou sobre o acordo do Grêmio com a construtora OAS para a construção da Arena Grêmio.

Dunga


Dunga 1Dunga chega à CBF para viver um segundo tempo. E vem dureza ai.

O capitão do Tetra, que não é uma unanimidade nacional, chega sob enorme pressão: perdeu uma Copa do Mundo (2010), é turrão, não se dá com a imprensa e, o que é pior, é gaúcho. É mais um. Rio e São Paulo, que exercem enorme pressão e influência na CBF, não deixarão barata a coisa e passarão o tempo todo desconfiando do homem de ijuí. E pressionando-o, também.

Acho que, para dar certo na Seleção, Dunga terá, em primeiríssimo lugar, controlar o seu humor, pois é um caminhão carregado de dinamite, que explode com o mínimo atrito.

Sua chegada à Seleção, após deixar de ganhar quase três vezes mais na Venezuela, deve ter algum plus considerável, como um longo período de tempo. Nós sabemos que o projeto de 12 anos da Alemanha para voltar a vencer não daria certo aqui no Brasil, pois queremos tudo para ontem. Então, o capitão chega com um projeto de 4 anos ou talvez de 8. Veremos.

E se houver um projeto para o Hexa, na Rússia ou no Catar, ele começará a ser desenvolvido imediatamente. Já nos próximos amistosos o Brasil começará a mostrar a sua verdadeira face. O seu verdadeiro futebol. Afinal, as mudanças feitas foram profundas e a pressão nacional foi gigantesca.

E no Brasil não tem mistério e não tem nada dessa coisa de “revolucionar” o futebol. O Brasil tem algo que os outros países não têm: talento. Nossos jogadores nascem com ele no seu DNA. Assim, Dunga só terá de convocar gente boa onde todos defendem, armem, ataquem e vençam. É isso o futebol moderno. O resto é conversa fiada, de quem quer parecer diferente. Ou moderno, como falam na TV.

Se Dunga estivesse no banco contra a Alemanha, o Brasil jamais tomaria 7, primeiro, porque o time seria outro, na convocação e no jogo. E, se a coisa não funcionasse, ele iria para a beira do gramado e xingaria seus comandados. Dunga é assim. E tem mais. Com ele haveria mais treinamento e menos oba-oba na concentração.

O futebol brasileiro moderno, que precisa evoluir, precisa apenas de comando firme, com foco no título e grupo longe das luzes da mídia. E Dunga sabe bem como fazê-lo.

Mas, se Dunga está chegando é por que vai vencer. A vida não dá uma segunda chance a todo mundo. Só a quem trabalha muito. Dunga caiu em 1990 e se levantou em 1994. Lembram? Assim, se ele levantar o Hexa, não estranhem, pois turrão tem estrela.

E não se surpreendam se em 2014 ou 2018 o mundo começar a falar bem do futebol brasileiro novamente e de sua “evolução”. O futebol, assim como a vida, é momento e bom aproveitamento dele.

Intercomunidades


Intercomunidades 1O Campeonato Intercomunidades de Futsal de Tapera está cancelado. Não sai mais neste ano. Mesmo que o Departamento Municipal do Desporto e Lazer (DMDL) queira dar um tempo às comunidades para que repensem sobre o veto à participação da Vila Paz no certame, ele não acontecerá, o que é uma pena, pois levava grande público aos pavilhões comunitários interioranos, inclusive famílias inteiras.

Conversando com alguns moradores do interior, ninguém está disposto a participar do Intercomunidades neste ano. As comunidades não querem a Vila Paz no campeonato e ponto final. Estão irredutíveis.

À Administração Municipal cabe agora gerenciar esse estresse que terá desdobramento no ano que vem e nos próximos, também.

Não sei o que pensa, nem o que fará neste caso o pessoal da Vila Paz, que não é área urbana, pois sendo o 2º distrito do município, é interior. E não estando no perímetro urbano, não é bairro.

Houve muitos comentários aqui, alguns plausíveis e outros pesados (impublicáveis), mas digo uma coisa: é uma pena que um campeonato bonito como este, que estava sendo um espelho para a região, tenha paralisado por questões que não estão muito claras, nem aceitáveis nos dias atuais. Perdem as comunidades que não terão o seu campeonato e perde a Vila Paz que está proibida de participar de um evento municipal e que é seu também.

Por que é que as coisas têm de ser assim?

Tomei algumas “pedradas” nos comentários, mas continuo pensando que a Vila Paz poderia participar do Intercomunidades, o que é um direito seu, e ajudaria a abrilhantá-lo ainda mais.

Mal estacionado


Mal estacionado 1Leitor atento, descendo a Avenida XV de Novembro, na tarde da última segunda-feira (21/07), por volta de 14h30min, em frente ao antigo Curtume, flagrou este carro estacionado em frente ao hidrante. Na calçada, além da pintura alertando os motoristas sobre a proibição de se estacionar naquele local, existe ainda uma placa comunicando sobre a proibição. Se o caminhão do Corpo de Bombeiros necessitasse do hidrante, para carregá-lo para poder atender a um sinistro, teria problemas.

O leitor não sabe se o proprietário do referido carro foi multado.

Invejando por não ter o que você tem


Invejando por não ter o que você tem 1Um morador fez um jardim no terraço do seu apartamento. Na reunião do condomínio, disseram que as raízes podiam afetar a estrutura da construção e as trepadeiras iriam enferrujar a grade. Ele foi obrigado a destruir o seu jardim. Um amigo seu comentou:
- O problema não era o jardim. Os outros moradores se sentiram frustrados por não terem um igual. Preferiram continuar vendo a paisagem cinza das janelas de suas salas a um jardim que não lhes pertence.